Você está visualizando atualmente O MEU REINO NÃO É DESTE MUNDO

O MEU REINO NÃO É DESTE MUNDO

O MEU REINO NÃO É DESTE MUNDO
(João 18.28-38)

Versículo chave: “Jesus respondeu: – O meu Reino não é deste mundo. Se o meu Reino fosse deste mundo, os meus ministros se empenhariam por mim, para que eu não fosse entregue aos judeus. Mas agora o meu Reino não é daqui” (vs. 36).

Introdução: Esta foi a resposta de Jesus à pergunta de Pilatos: Você é o rei dos judeus? Jesus havia sido preso pelos principais dos judeus. Depois de interrogá-lo, no Sinédrio, estes o entregaram como malfeitor ao governador romano, a fim de condená-lo e matá-lo.

Muitas acusações falsas foram levantadas para condenar Jesus. Mas, a que ficou registrada, na cruz, foi: “O REI DOS JUDEUS” (Mc 14.26). Muitos esperavam um rei belo e forte, um descendente de Davi com um berço de ouro, um conquistador, um libertador político.

  • Falando para crescermos em fé: Por que muitos se decepcionaram e se escandalizaram com Jesus? Comente.

Jesus disse: “Mas agora o meu Reino não é daqui”. Então, se o reino dele não é daqui, logo, há um outro reino que é daqui, um reino deste mundo. A pergunta é: De quem é este reino? Não há dúvida de que o príncipe deste mundo é Satanás (Mt 4.8; Jo 14.30 e I Jo 5.19).

Mas, o Reino de Jesus, o Príncipe da Paz, não é daqui e não está ligado às coisas terrenas e materiais. “Porque o Reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, paz e alegria no Espírito Santo“ (Rm 14.17). Seu reino é espiritual, está no coração de Seus seguidores, e o seu avanço não depende de meios naturais, mas, de Sua bandeira sobre nós: o amor (Êx 17.15).  

  • Aprendendo uns com os outros: Se o Reino de Deus está dentro de nós (Lc 17.20,21), por que muitos de nós ainda estamos preocupados com o que comer, o que beber e o que vestir? Leia Colossenses 3.1,2 e Mateus 6.33 e comente.

Embora alguns militantes judeus desejassem fazer de Jesus um rei terreno (Jo 6.15), Ele fugiu de todas essas manifestações políticas. A Bíblia, especialmente, o Novo Testamento, pós descida do Espírito Santo, não indica que os discípulos de Cristo, como o Seu Mestre, se ocuparam ou se preocuparam com partidarismo político, mas, em pregar o Evangelho e orar pelas autoridades.

  • Falando para crescermos em fé: O Evangelho produz mudança interior, verdadeira e eterna. Será que a Igreja precisa esperar o Estado para promover justiça social, econômica e moral? Será que os cristãos precisam estar debaixo do governo de um “bom” rei para orar por ele e honrá-lo? Leia Lucas 3.10-14; Romanos 13.1; I Pedro 2.13-17; Mt 22.21; e comente.

Conclusão: ‘A política não traz nenhum impacto no Reino de Deus, seja em nosso país ou em outro qualquer, lembre-se que Jesus disse: [O meu Reino não é deste mundo]. Podemos ter uma preferência por um presidente, parlamentar ou alguém, mas no fim, nada da política mudará a eternidade de ninguém senão o Evangelho e é nisso que o cristão deve focar, o Evangelho é que deve ser sua paixão. A Bíblia é a nossa Constituição’ (John MacArthur, pastor e teólogo norteamericano). Oremos por nossa nação, pelas autoridades, pelo pleito eleitoral e, sobretudo, por um avivamento espiritual que comece em cada um de nós e se alastre pelos 4 cantos da nação.   

Pr. Ricardo Arturo T. Batista – Igreja Batista do Amor

Deixe um comentário