Você está visualizando atualmente VIVENDO A MISERICÓRDIA DE DEUS

VIVENDO A MISERICÓRDIA DE DEUS

Texto Base: Romanos 12:1

“Rogo-vos, pois, irmãos pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional”.

Introdução: Paulo, no início de sua exposição aos Romanos, deixa claro que todos os homens são pecadores e ele mesmo demonstra uma consciência de que ele era pecador. Agora, com a consciência de quem está crucificado com CRISTO: “logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim, e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim” (Gálatas 2:20). Nesse texto, Romanos 12:1, Paulo roga (pedir com insistência e humildade; suplicar, implorar, instar), por aquilo que de maior ele conhece, a misericórdia de Deus. Ele pede pelas misericórdias de Deus que apresentemos o nosso corpo por sacrifício a Deus. Logo em Romanos 12:2, Paulo vai falar: “não se conforme com este mundo, mas sejam transformados em Cristo pela renovação da vossa mente”, e o arrependimento de seus pecados é um dos primeiros passos para a transformação.

Pecamos quando confiamos em nossa força: Isso afasta o nosso coração do Senhor! “Assim diz o Senhor: Maldito o homem que confia no homem, faz da carne mortal o seu braço e aparta o seu coração do Senhor!” (Jr 17.5).


Davi peca levantando o censo: 2 Samuel 24:10-15

Deus havia prometido tornar numeroso o povo de Israel, como a areia da praia e como as estrelas do céu. “Esteja convicto de que Eu te cumularei de bênçãos, Eu te confirmarei uma posteridade tão numerosa quanto as estrelas do céu e quanto a areia que se espalha pelas praias do mar, e tua descendência conquistará as cidades de todos que se levantarem contra ti” (Gn 22:17). O problema de levantar o censo era a motivação do coração: Confiar em números significa confiarmos na força da nossa carne, confiarmos na nossa capacidade, e não em Deus. É imperceptível, mas, em alguns momentos, atribuímos à nossa força/esforço determinadas conquistas que temos. Algumas pessoas, ao dar testemunho de uma benção, o foco maior está no que ela fez (orou, jejuou, se esforçou, trabalhou), somente no final ela testemunha: “foi a graça”.

2 Crônicas 32.8 “Com ele está o braço da carne, mas conosco, o Senhor, nosso Deus, para nos ajudar e para guerrear nossas guerras”. Salmos 20.7Uns confiam em carros, outros, em cavalos, nós porém, nos gloriaremos em o nome do Senhor, nosso Deus”. Salmos 127.1 “se o Senhor não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela”.

Em 2 Samuel 24:12-13, Davi teve 3 opções:

– 7 anos de fome sobre sua terra e seu povo;

– Fugir por 3 meses de todos seus inimigos;

– Peste na sua terra por 3 dias.

Davi tinha um coração sensível, sentiu bater-lhe o coração, fruto da consciência do seu pecado. Veio então a praga sobre o povo: 2 Samuel 24:18-25. Deus pela sua misericórdia, preparou um caminho para que a peste cessasse. O Profeta Gade disse: “Davi levanta um altar na eira de Araúna. Davi então oferece a Deus a oferta para cessar a praga”. O que vemos? Um coração de Davi que não aceita entregar a Deus nada que não lhe custe. “Davi comprou todos os elementos da oferta, pagou um preço, porque não oferecerei ao Senhor meu Deus, sacrifício que não me custem nada” (v. 24).

Davi pagou um preço: “A salvação é de graça, mas o discipulado custa tudo o que temos” (Billy Graham). Esse é um chamado à igreja, para nos esforçarmos, pagarmos um preço como atalaias, como vigiantes nesse tempo. E como fazemos isso?

– Reservando tempo de oração, clamor pelas famílias;

– Posicionamento de fé, de uma igreja ativa e relevante;

– Corações cheios de fé que profetizam;

Agora, nós, a igreja, somos a resposta para esse tempo! Nós somos a oferta para esse tempo! “Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna” (Hb 4:16).

1. VIVO = Romanos 6:11-13

“Assim também vós considerai-vos mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus.
Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, de maneira que obedeçais às suas paixões;
nem ofereçais cada um os membros do seu corpo ao pecado, como instrumentos de iniquidade; mas oferecei-vos a Deus, como ressurretos dentre os mortos, e os vossos membros, a Deus, como instrumentos de justiça”.


Se considerem VIVOS PARA DEUS E MORTOS PARA O PECADO, ofereçam os membros de seus corpos a Deus. A maior oferta que você pode entregar a Deus, e a que realmente Ele quer acima de qualquer outra coisa, é a sua vida em sacrifício.

  • Encher-se do Espírito Santo;
  • Mortificar a carne;
  • Realizar a obra de Deus;
  • Abençoar e cuidar da sua família;
  • Levar libertação aos cativos;
  • Vencer as obras do diabo;

“Deus Pai entregou JESUS na cruz, para ver você vivo para sempre, vitorioso, pisando na cabeça do diabo e levando vida e salvação ao mundo”

2. SANTO = João 17:16-21

“E a favor deles eu me santifico a mim mesmo, para que eles também sejam santificados…”. Não é o nosso esforço de sermos santos, mas sermos santificados, em Cristo, pelo seu sangue, por sua entrega, por sua graça; somos separados para Deus. Essa santificação nos habilita a termos comunhão e nos tornamos um com Cristo e passamos a viver o poder da unidade e da concordância.

3. AGRADÁVEL = Hebreus 11:6 “De fato, sem fé é impossível agradar a Deus”

Nossa relação com Deus é prazerosa, agradável, temos satisfação em servi-lo; não tem peso, é por AMOR, por GRATIDÃO, e POR FÉ. Tudo que fizer tem de ser por fé! Oferte pela fé! Louve pela fé! Receba a palavra pela fé! Ore pela fé! Nosso culto é racional, através de uma mente de Cristo transformada, pautado numa decisão consciente, não de atos, ou momentos de mera emoção.

Conclusão: “E se o meu povo que se chama pelo meu nome se humilhar e orar e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos então eu ouvirei dos céus e perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra” (2 Cr 7:14).

Reflexão:

1. Pelo Senhor, você está disposto a ser esse sacrifício?

2. Qual a importância de uma igreja relevante e avivada nesse tempo?

3. Você já passou pela experiência de ter confiado mais na sua força do que em Deus?

4. Conte um testemunho, algo que você não teria condições de viver, mas Deus pelo seu poder e amor realizou na sua vida.

Pr Rodrigo Barbosa – Uberlândia 28/02 – Igreja Batista do Amor

Deixe um comentário