Você está visualizando atualmente SÉRIE: A MISSÃO  – OS PEQUENOS GRUPOS – ”DA SALVAÇÃO AO ENVIO, DA CONVERSÃO À MISSÃO”

SÉRIE: A MISSÃO – OS PEQUENOS GRUPOS – ”DA SALVAÇÃO AO ENVIO, DA CONVERSÃO À MISSÃO”

“OS PEQUENOS GRUPOS – DA SALVAÇÃO AO ENVIO, DA CONVERSÃO À MISSÃO”

“E disse-lhes: Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura.” (Mc 16.15)

Introdução: Profeticamente, para nós, 2021 é o Ano da Missão. E, como Igreja, a nossa Missão é: ‘Anunciar o Evangelho a todos, indistintamente, pregando a graça salvadora e o amor incondicional de Deus e, por meio do discipulado, transmitir o legado de Cristo a outras gerações em Uberlândia, em toda Minas Gerais e Brasil, e até os confins da terra’. Estamos baseados na Grande Comissão de Jesus (Mc 16.15 e Mt 28.19).

Contextualização: Por que falarmos dos pequenos grupos no contexto de missão? Porque sem eles é impossível cumprirmos integralmente a missão. Quando não vive em pequenos grupos, a Igreja acaba por estancam a missão do Senhor, que não é apenas pregar (ganhar), mas, especialmente, transformar (discipular). O desejo de Deus é que o homem seja salvo, mas, também, seja pleno na verdade (I Tm 2.4). E essa plenitude acontece na proximidade relacional da microigreja, da célula, nas casas.

O que é ‘Pequeno Grupo’ no contexto cristão? É a expressão mais original e tangível da Igreja neotestamentária.É a microigreja que nasceu no primeiro século e, através da qual, a Igreja Local se expressa e atua de modo relevante na comunidade. O ‘ide’ só se cumpre quando estamos entranhados na vida comunitária, não por meio de uma instituição, ou, organização, mas, através de um organismo vivo, formado pelos membros do Corpo de Cristo. E a expressão palpável deste Corpo chamado Igreja é a casa, a célula, a família. Vejamos:

  • Nasceu nas casas (At 1.12-14 e 2.1-4)
  • Viveu nas casas (At 2.46; 5.42 e 12.12)
  • Ganhou nas casas (At 2.47; 10.24 e 16.15)

O Pequeno Grupo é a vida da Igreja Local, que dá sentido à Igreja Global e o Reino de Deus. Quanto mais a Igreja Local funcionar como o seu modelo original (a Igreja Primitiva), mais eficaz ela será no cumprimento de sua missão. Consequentemente, mais a Igreja Global de Cristo e o Seu Reino serão edificados e fortalecidos.

  • A importância da Igreja Local: Jesus está no meio dela (Ap 1:12 e 13; Mt 18.20, Hb 10.25)

Com o tempo, a Igreja deixou de se parecer com a do 1º século, porque foi perdendo sua identidade (esqueceu-se do que é) e desconhecendo sua vocação (esqueceu-se do que foi chamada a ser). A Igreja de Cristo é santa, separada para pertencer a Deus e adorá-lo, mas, também, apostólica, enviada ao mundo em sua missão. Quando renunciou às reuniões nas casas, se distanciando do mundo (comunidade), e voltando-se somente para si mesma, adoeceu por causa de uma autoimagem errada. Isso interferiu diretamente no cumprimento de sua Missão.

A história: Por volta de 312 d.C., a igreja tinha mudado de reuniões regulares nas casas para reuniões quase exclusivamente em prédios especiais. Esta mudança não ocorreu apenas por um fato, mas, certamente, o modelo de igreja de uma asa, do imperador romano Constantino, que combinou governo romano, sistema feudal e religião, foi determinante em descaracterizar a originalidade igreja cristã e influenciar a sua estrutura até os dias de hoje. 

A Catedral de Constantino contribuiu para transformar o organismo vivo em apenas uma organização estática, inflexível e egocêntrica, onde as pessoas iam para a construção (catedral), em um ‘dia especial’ da semana (domingo) e alguém (sacerdote) fazia alguma coisa para elas (indulgência), ou, por elas (ritual), por um preço (ofertas). Esse nunca foi o modelo da Igreja de Cristo! A Igreja de duas asas tem a teologia correta (vinho novo) e a estrutura adequada (odres novos), por isso, leva vida a todo corpo e fortalece os membros à missão. Vejamos:

Estrutura Física: Pequena – Jesus não disse ‘onde estiver duzentos, ali eu estarei’. Funcional – O prédio ou as casas não são sagrados e sim funcionais, para nos reunirmos. Acessível – muitos não iriam ao prédio da igreja, mas, não resistiriam em ir a uma casa. Comunitária – o fim não é o prédio, mas, a comunidade na qual está inserido. Personalizada – Não são números; são pessoas que se relacionam de verdade: LC = (N x N) – N.

Estrutura Eclesiástica: Descentralizada – Ministério na mão do povo (I Pe 2.9). Leiga (laikós) – (At 4.13; 18.26).

Estrutura Espiritual: Intercessora (At 4.31; 12.12). Adoradora (At 2.47; 16.25). Bíblica (At 2.42; 17.11).

Pr. Ricardo Arturo Tatis Batista – Igreja Batista do Amor

Deixe um comentário