Você está visualizando atualmente “A BÊNÇÃO”

“A BÊNÇÃO”

Versículo chave: “A bênção do SENHOR enriquece, e, com ela, ele não traz desgosto” (Provérbios 10.22).

Introdução: No dicionário de língua portuguesa a palavra ‘bênção’ é definida como ato ou efeito de abençoar; voto de felicidade e proteção divina em favor de alguém. O dicionário bíblico Vida Nova relata que a palavra ‘bênção’, no Antigo Testamento, em geral, significa a concessão de um bem material. No Novo Testamento, com frequência, significa o bem espiritual concedido pelo evangelho (Ef 1.3). Não há dúvida de que a ‘bênção’ de Deus é algo muito bom, que muda a nossa condição para melhor (prospera), e que com ela não haverá tristeza ou preocupação.           

O Nosso Deus é abençoador,favorecedor, galardoador, pois, estes são atributos intimamente ligados à sua Pessoa. Ele é a origem do bem e de toda bondade, como está escrito: “Toda boa dádiva e todo dom perfeito são lá do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não pode existir variação ou sombra de mudança” (Tg 1.17). Sendo, assim, tudo que vem de Deus é bom, inclusive a Sua bênção. Não deveríamos resistir em recebê-la, nem discutir se a merecemos, simplesmente, por fé, deveríamos tomar posse dela e, com gratidão, desfrutá-la.  

Jesus é a maior bênção de Deus para a humanidade:porque Deus é bom, bondoso, misericordioso, compassivo, gracioso e cheio de bondade, deu a maior dádiva que o mundo já viu. “Porque derramarei água sobre o sedento e torrentes, sobre a terra seca; derramarei o meu Espírito sobre a tua posteridade e a minha bênção, sobre os teus descendentes” (Is 44.3). A profecia aponta para Jesus como fonte de água viva e como bênção de Deus para o Seu povo. É a plenitude da bênção de Cristo (Rm 15.29).

‘Hoje, as pessoas só vêm a Deus atrás de bênçãos!’: Quem já ouviu ou falou esta frase? Primeiramente, não devemos julgar ninguém. Em segundo, as pessoas sempre vieram assim, inclusive eu e você. Aliás, todos precisam vir em busca da bênção. A terra se tornou maldita por causa do pecado (Gn 3.17) e todos pecaram (Rm 3.23). Logo, todos ficaram amaldiçoados e necessitam da bênção. Ou, alguém vivia abençoadamente e veio a Deus atrás de maldição? “… assim como fostes maldição entre as nações, assim vos salvarei, e sereis bênção…” (Zc 8.13). Leia também Gálatas 3.13.

Não há problema em desejarmos as bênçãos do Pai: não somos menos espirituais, nem menos piedosos porque as pedimos e as buscamos (Mt 7.7 e Hb 11.6). Não somos menos adoradores quando O adoramos pelo que Ele faz (Sl 126.1-3). Até porque nós só O adoramos pelo que Ele é (Seus atributos morais), na medida em que experimentamos o que Ele faz (Seus atos graciosos). Adoramos ao Deus Misericordioso, porque Ele nos poupou da morte; ao Deus Consolador, porque Ele consola os que choram; ao Deus Libertador, porque Ele nos libertou do império das trevas. A bênção está destinada àqueles que foram justificados pela fé e se tornaram filhos. Somos filhos; podemos pedir!

Não podemos jamais nos esquecer de que:

  1. A bênção enriquece: a bênção do Pai é um sinal evidente do Seu amor e tudo que o amor toca enriquece. Alguém jamais permaneceu o mesmo depois de ser abençoado por Deus. Ex.: Abraão (Gn 12.1-2), Isaque (Gn 26.12-13) e todos os filhos de Abraão na fé (II Co 8.9).
  2. A bênção permanece: a bênção do Pai é uma expressão segura do Seu amor e tudo que o amor produz permanece. A graça plena é Jesus e nEle as bênçãos de Abraão chegaram a nós e permanecem de geração em geração (Gl 3.14).
  3. A bênção é insubstituível: Na versão NTLH, Provérbios 10.22b diz que “nenhum esforço pode substitui-la”. Se a bênção do Pai revela a Sua graça, então, o homem não a obtém pelos seus recursos (esforços), mas, a recebe pela fé. Por isso, o que recebemos do céu não podemos trocar por algo da terra. Ex.: Esaú (Gn 24.35).

Conclusão/Reflexão: Diante desta maravilhosa revelação, que o Senhor nos concedeu por meio de sua infinita graça e misericórdia, ficamos a indagar: Por que alguém poderia abrir mão da bênção que vem de Deus? Basicamente, existem dois motivos principais: (1) Por achar que não precisa. (2) Por achar que não merece. Num extremo, alguns confiam em si mesmos e pensam ser autossuficientes. No outro extremo, alguns se acham tão indignos e insuficientes. Ambos não recebem porque não creem. Leia Hebreus 11.6 e comente: Você já esteve em um destes extremos e acabou não acessando a bênção do Senhor?        

Pr. Ricardo Arturo Tatis BatistaIgreja Batista do Amor

Deixe um comentário